Revista Placar

As juizadas do Campeonato Brasileiro de 2016

Mais uma vez o Brasileirão ficou marcado por erros grotescos e decisivos. O uso de vídeo em lances polêmicos foi adiado e deverá ser usado somente em 2017

Por: Redação PLACAR

Atlético Mineiro 2 x 1 Corinthians - Wilton Pereira Sampaio| Reprodução
Atlético Mineiro 2 x 1 Corinthians - Wilton Pereira Sampaio | Crédito: Reprodução
Atlético Mineiro 2 x 1 Corinthians - 22/6/2016 – segundo turno – Juiz: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO)

1 - Marquinhos Gabriel puxa a camisa de Erazo na frente do juiz e ele não marca.
2 - Marcos Rocha recebe impedido e cruza para Fred marcar.

Corinthians 1 x 1 Cruzeiro - 8/8/2016 – segundo turno - Juiz: Dewson Fernando Freitas (PA)

Em uma bola enfada para Ábila, do Cruzeiro, o goleiro corintiano Cássio dá uma voadora no atacante. O árbitro não considera pênalti e revolta os cruzeirenses.

Reprodução

Ponte Preta 1 x 0 São Paulo - 3/7/2016 - primeiro turno - Juiz: Vinícius Furlan (SP)

O juiz dá o amarelo para Matheus Reis, mas, com a partida em movimento, ao ver o resultado da falta, ele volta atrás e expulsa o jogador são-paulino. Erro de direito, pois no livro de regras não pode voltar atrás da decisão após o reinício do jogo.

1 - amarelou - Reprodução                  2 - olhou o estrago - Reprodução
3 - mandou pro chuveiro - Reprodução         Reprodução

Palmeiras 1 x 1 Flamengo - 14/9/2016 - segundo turno - Juiz: André Luiz de Freitas Castro (GO)

Expulsão, considerada injusta, de Márcio Araújo, e gol do Flamengo, originado de um lateral que não aconteceu.

Agif

Figueirense 1 x 2 Palmeiras - 16/10/2016 – segundo turno - Juiz: Igor Junio Benevenuto (MG)

Polêmico pênalti marcado em Gabriel Jesus no primeiro tempo e um ignorado pelo árbitro em Rafael Silva do Figueira, derrubado por Egídio.

Reprodução

Flamengo 2 x 2 Corinthians - 23/10/2016 – segundo turno - Juiz: Anderson Daronco (Fifa-RS) - Assistente: Rafael da Silva Alves (RS)

Reprodução

Palmeiras 2 x 1 Sport - 23/10/2016 – segundo turno - Juiz: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)

Em um escanteio para o Sport, o zagueiro Mina sobe com o braço aberto, toca a bola e o árbitro não dá.

Reprodução

Coritiba 1 x 1 Fluminense - 23/10/2016 – segundo turno - Juiz: Raphael Claus (Fifa-SP)

Kleber Gladiador comete uma falta normal, sem gravidade, quando estava apenas 3 minutos em campo. Na sequência é expulso pelo árbitro, que alega ter sido xingado. Nem o adversário entendeu a expulsão.

Reprodução

Fla-Flu da discórdia - 23/10/2016 – segundo turno - Juiz: Sandro Meira Ricci (Fifa-SC)

Marcado por confusões da arbitragem, o maior clássico carioca, disputado em Volta Redonda, acabou com seu resultado suspenso por um pedido de anulação da partida pelo Fluminense junto ao STJD. O árbitro Sandro Meira Ricci primeiro anulou o gol que seria de empate do Fluminense (2 x 2), confirmando a marcação de seu auxiliar. Depois, pressionado, mudou a decisão e validou o gol. Uma enorme bagunça tomou conta do gramado, com muitos empurrões entre jogadores. Com um suposto auxílio externo, Sandro Meira novamente anula o gol, gerando ainda mais confusão. Após considerar relatórios do árbitro, o STJD acabou por confirmar o resultado da partida (2 x 1), devolvendo os pontos ao Flamengo e jugando improcedente o pedido Tricolor.


Agif


Fonte: Redação PLACAR